domingo, 9 de novembro de 2014

“Qual é a sua estrada, homem? - a estrada do místico, a estrada do louco, a estrada do arco-íris, a estrada dos peixes, qualquer estrada... Há sempre uma estrada em qualquer lugar, para qualquer pessoa, em qualquer circunstância. Como, onde, por quê?”

―Jack Kerouac

sexta-feira, 16 de maio de 2014

quarta-feira, 23 de abril de 2014

Ansiedades

Mais um dia e mais um motivo pra ir dormir,
mais um dia e mais batidas,
e mais ar, e mais vida...
Pra um dia não ter mais.

quinta-feira, 6 de fevereiro de 2014

Desvendando o céu de saigon de caio, aponto para o oeste sem esperar nenhuma retribuição. Corro anos luz à procura de algo que é transparente, como a moça no mercado sorrindo: Não vejo sentindo.

Seus medicamentos pra saciar o passado mal digerido, pra estancar o frágel sentimento que você inventou.
E logo penso, das janelas que se fecham, dos relâmpagos seguidos de trovões, dos caios caindo, eu imagino algo como um Saigon, e eu em harmonia chegando la.

Não ficaria clichê talvez inventar um nome, uma novidade...
Uma passagem pra ti, pra mim, liberdade.
E quando o trem apitasse avisando a partida eu logo lembraria da moça no mercado, a que me fez perder o pouco de luz que ainda me restava.

Espero os anos passarem e quanto mais eu conto os dias mais eles parecem os mesmos.