domingo, 19 de dezembro de 2010

Ele não responde.  Joga o casaco sobre meus ombros e me aperta nos seus braços. 
Ele me beija na testa e uma lágrima rola na minha face,  seguida da outra. 
Não consigo mais me segurar,  é o excesso de emoções contraditórias que ferviam dentro de mim e que transborda sem que eu possa fazer alguma coisa. 
Vivi demais, cedo demais e por demais solitária, eu não mereço que cuidem de mim. 
Fico sem entender, não preciso de ninguém. (Lolita Pille)

8 comentários:

  1. É triste e é assim que é; a falta de signicado de tudo, o vazio de tudo.
    Gostei do modo como você pôs a questão.

    ResponderExcluir
  2. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  3. A impossibilidade de voltar a sentir de novo as mesmas ternuras, congeladas pelo amor inacabado, falta ar pra respirar e pra viver nesses sentimentos que nunca se vão...

    Lindo!!!

    beijo

    ResponderExcluir
  4. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  5. olha só: li esse livro não faz nem um mês. gostei de algumas passagens dele. Assisti ao filme esses dias tbm e até que tolerei a adaptação. sabe como são essas coisas de livros que viram filme, né? hahaha. coincidências rolando solto, hein.
    ;**

    ResponderExcluir
  6. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  7. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir